The 1988 Brazilian Constitution and its Country Project: is There Still Room to Dream

Marcus Firmino Santiago

Resumen

En 1988, Brasil promulgó su nueva Constitución, que representaba el acto final de la larga transición democrática iniciada una década antes. En ese momento, contrario a la tendencia dominante en el Occidente capitalista, se hizo un compromiso con el bienestar social, enfocándose en la acción estatal y en la expansión de la participación democrática como formas de superar una larga historia de desigualdad y exclusión. Las promesas constitucionales, sin embargo, no se han cumplido plenamente. El país enfrentó largos períodos de graves dificultades financieras que limitaron la capacidad de los gobiernos para actuar. Al mismo tiempo, las fuerzas conservadoras resistieron continuamente, buscando vaciar el proyecto estatal prometido en 1988. A pesar de las dificultades, la sociedad ha experimentado grandes avances, sin embargo, la ruptura soñada con una realidad de pobreza y exclusión no sucedió. Y hoy, ante un escenario de recesión económica mundial y extrema fragilidad financiera del Estado, hay voces crecientes que defienden el abandono de los valores constitucionales, apostando en los mercados como una forma de superar las dificultades actuales.

Palabras clave

Constitución brasileña de 1988; Estado de bienestar; democracia; desigualdad; exclusión social

Texto completo:

PDF (English)

Referencias

Afonso, José Roberto R. 2018. “Desenvolvimento, trabalho e seguro social: volta a Keynes para enfrentar novos desafios”. Revista BNDES, vol. 26, núm. 50. Río de Janeiro. https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/han dle/1408/16842.

Albuquerque, Marcos Cintra Cavalcanti de. 1987. “Economia brasileira–um nó de contradições”. Revista Lua Nova, vol. 3, núm. 3, São Paulo. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451987000200015.

Andrade, Régis de Castro. 1988. “Pacto democrático, negociação e autoridade. Reflexões sobre a questão da democracia”. Revista Lua Nova, vol. 4, núm. 14. São Paulo. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451988000100002.

Bacha, Edmar. 1974. “O Economista e o Rei da Belíndia: uma fábula para tecnocratas”. Jornal Opinião. São Paulo. https://edisciplinas.usp.br.

Backes, Ana Luiza, Azevedo, Débora Bithiah de and Araújo, José Cordeiro (orgs). 2009. Audiências Públicas na Assembleia Nacional Constituinte: a sociedade na tribuna. Brasília: Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. http://bd.camara.leg.br.

Bastos, Vânia Lomônaco and COSTA, Tânia Moreira da (orgs). 1987. Constituinte: Temas em debate. Caderno CEAC/UnB. Brasília. UnB.

Boschetti, Ivanete. 2006. Seguridade Social e Trabalho. Paradoxos na construção das políticas de previdência e assistência social no Brasil. Brasília. UnB.

Bresser-Pereira, Luiz Carlos. 1988. “Os limites da ‘abertura’ e a sociedade civil”. FLEISCHER, David (org.). Da Distensão à Abertura. As eleições de 1982. Brasília. UnB.

Bresser-Pereira, Luiz Carlos. 2012. “Prefácio”. Kerstenetzky, Celia Lessa. O Estado do Bem-estar Social na Idade da Razão. A reinvenção do Estado social no mundo contemporâneo. Río de Janeiro. Elsevier.

Calixtre, André and FAGNANI, Eduardo. 2018. “A política social nos limites do experimento desenvolvimentista (2003-2014)”. CARNEIRO, Ricardo, BALTAR, Paulo, SARTI, Fernando (orgs). Para Além da Política Econômica. São Paulo. UNESP. https://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/para-alem-da-politica-economica.pdf.

Carvalho, Laura. 2018. Valsa Brasileira. Do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia.

Carvalho, Laura. 2020. Curto-circuito. O vírus e a volta do Estado. São Paulo. Todavia.

Coelho, João Gilberto Lucas. 2009. “Processo constituinte, audiências públicas e o nascimento de uma nova ordem”. BACKES, Ana Luiza, AZEVEDO, Débora Bithiah de, ARAÚJO, José Cordeiro (org). Audiências Públicas na Assembleia Nacional Constituinte: a sociedade na tribuna. Brasília. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. http://bd.camara.leg.br.

Dallari, Dalmo de Abreu. 1998. Ditadura constitucional. Folha de São Paulo. Opinião. São Paulo. http://www1.folha.uol.br/fsp.

Esping-Andersen, Gosta. 1991. “As Três Economias Políticas do Welfare State”. Revista Lua Nova. São Paulo, núm. 24. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451991000200006.

Fandiño, Pedro y KERSTENETZKY, Celia Lessa. 2019. “O paradoxo constitucional brasileiro: direitos sociais sob tributação regressiva”. Revista de Economia Política, vol. 39, núm. 2. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572019000200006.

Kerstenetzky, Celia Lessa. 2012. O Estado do Bem-estar Social na Idade da Razão. A reinvenção do Estado social no mundo contemporâneo. Rio de Janeiro. Elsevier.

Kerstenetzky, Celia Lessa. 2017. “Foi um pássaro, foi um avião? Redistribuição no Brasil no século XXI”. Novos Estudos CEBRAP, vol. 36, núm. 2. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S010133002017000200015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

Lunardi, Soraya y DIMOULIS, Dimitri. 2013. “A forte e persistente desigualdade social (1988-2011)”. VIEIRA, Oscar Vilhena et al. (orgs.). Resiliência Constitucional. Compromisso maximizador, consensualismo político e desenvolvimento gradual. São Paulo. Direito GV. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/10959.

Mattos, Fernando Augusto Mansor de y NASCIMENTO, Natassia. 2019. “Aspectos históricos dos efeitos da evolução do salário mínimo, do mercado de trabalho e da estrutura tributária sobre o perfil distributivo brasileiro desde meados do século XX”. Tempo & Argumento. Revista de história do tempo presente, vol. 11, núm. 27. Universidade do Estado de Santa Catarina, 429-474. http://revistas .udesc.br.

Menezes, Daniel Francisco Nagao. 2014. Economia e mutação Constitucional. Belo Horizonte. Arraes.

Moreira, Eduardo. 2020. Economia do desejo. A farsa da tese neoliberal. 3. ed. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira.

Nassar, Paulo André. 2013. “Construção do compromisso maximizador: análise do processo constituinte e das características da Constituição de 1988”. VIEIRA, Oscar Vilhena et al. (orgs.). Resiliência Constitucional. Compromisso maximizador, consensualismo político e desenvolvimento gradual. São Paulo. Direito GV. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/10959

Neri, Marcelo C. 2019. A Escalada da Desigualdade. Qual foi o impacto da crise sobre a distribuição de renda e pobreza? Río de Janeiro. FGV Social. https://cps.fgv.br/desigualdade.

Nogueira, André Magalhães. Centrão. Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/centrao.

OXFAM. 2018. Uma Economia para os 99%. Chegou a hora de promovermos uma economia humana que beneficie a todos, não apenas a uns poucos privilegiados. http://www.oxfam.org.br.

OXFAM. 2019. Brasil: Direitos Humanos em Tempos de Austeridade. http://www.oxfam.org.br.

Pinto, Élida Graziane, AFONSO, José Roberto y PORTO, Laís Khaled. 2019. “Limites à dívida consolidada e mobiliária da União: um estudo acerca da inconstitucionalidade por omissão na falta de fixação do seu regime jurídico”. CONTI, José Maurício et al. (orgs.). Dívida Pública. São Paulo. Blucher.

Pires, Waldir. 1989. “A social-democracia nas condições do Brasil”. JAGUARIBE, Hélio (org). A Proposta Social-democrata. A social-democracia na atualidade europeia, hispano-americana e brasileira. Río de Janeiro. Instituto de Estudos Políticos e Sociais. José Olympo.

Santos, Wanderley Guilherme dos. 1986. “O Estado Social da Nação”. Dados. Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, vol. 29, núm. 3. http://dados.iesp.uerj.br/artigos/?id=329.

Silva, José Afonso da. 2013. “Prefácio”. Lima, João Alberto de Oliveira, Passos, Edilenice, NICOLA, João Rafael (org.). A Gênese do Texto da Constituição de 1988, vol. I. Brasília. Senado Federal. http://www.senado.leg.br/publicacoes/GeneseConstituicao/.

Souza JÚNIOR, José Geraldo de. 1987. Soberania e direitos: processos sociais novos? Bastos, Vânia Lomônaco; COSTA, Tânia Moreira da (org). Constituinte: Temas em debate. Caderno CEAC/UnB. Brasília. UnB.

Souza JÚNIOR, José Geraldo de. 1987. “Triste do poder que não pode”. Bastos, Vânia Lomônaco, COSTA, Tânia Moreira da (org). Constituinte: Temas em debate. Caderno CEAC/UnB. Brasília. UnB.

Versignassi, Alexandre. 2015. Crash. Uma breve história da economia. 2a. ed. São Paulo. LeYa.

Vieira, Oscar Vilhena et al. (org.). 2013. Resiliência Constitucional. Compromisso maximizador, consensualismo político e desenvolvimento gradual. São Paulo. Direito GV. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/10959.

Enlaces de Referencia

  • Por el momento, no existen enlaces de referencia